29 de março de 2013

Sou Gay e Creio em DEUS!!!

               Não sei em que tu acredita, não sei onde e nem como é ou vai ser a tua Páscoa, mas a na minha vou agradecer mais e mais ao meu DEUS - sim, bem aquele que morreu na Cruz por mim, que lutou - viveu e hoje é quem comanda o meu dia e a minha vida. Eu sei que muitos vão dizer ou julgar isso errado, mas eu Creio n'Ele, não em falsos Pastores que se dizem filhos e proclamadores da sua palavra - mas não são. Alguns deles só pensam em seu prórpio bolso, em seu prórpio bem estar, mas não pensam na transformação que DEUS é capaz de operar na vida de cada um de nós, é só deixar DEUS agir!!!


10:48
"Toda a criação proclama a glória de Deus e mostra quem Deus é. Que Deus maravilhoso nós servimos! Dê a Ele a honra, a glória, pois somente ele é digno de toda adoração". diz o Pr. John , enquanto todos aplaudem ao Senhor

#CongressoDT2013


#SouGayECreioEmDEUS

27 de março de 2013

Só de mim...

"Tu não sabes quem eu sou, mas eu sei quem tu és... e só preciso de um minuto da tua atenção.
Quero dizer-te que espero que saibas a sorte que tens. O quanto eu gostaria de estar na tua pele. Poder estar na mesma cama que ela todas as manhãs. Ajudá-la a acordar da má disposição matinal.

Espero que saibas que ela só vai falar contigo depois de lavar os dentes. Não é por mal... é por medo de perder o encanto aos teus olhos. Que a consideres um ser humano comum.
Espero que saibas que ela gosta de aproveitar cada raio de sol, e que o café a deixa mal disposta.

Que escolhe a roupa que vai vestir na noite anterior, só para poder ter mais cinco minutos de sono pela manhã. Que o despertador toca cinquenta vezes até que se levante, e que mesmo assim, consegue chegar a horas.

Quero também que saibas que adora histórias do fantástico. Mas não de terror! Que é capaz de saber o nome de todas as personagens de um livro antigo, mas que não se vai esforçar para decorar à primeira os nomes de todos os teus amigos...
Porque ela... ela é que sabe de si.

Tu nunca serás uma sorte para ela. Sorte é poderes tê-la na tua vida.
Sabes?
Ela não é romântica por natureza, mas uma demonstração espontânea da tua parte vai fazê-la fraquejar. Porque ela é segura e doce ao mesmo tempo.

Ela não sabe cozinhar, mas vai esforçar-se para fazer o teu prato preferido. E se estiver mau, vai rir-se do falhanço, em vez de corar.

E quando ela ri... eu tenho vontade de chorar. Não de tristeza, mas porque cada gargalhada é uma nota musical que toca ao coração e faz querer dançar.

Quero que saibas que ela é tudo o que quero e nunca soube que tive.

Aprende que a arritmia que sentes com ela é normal! E que a falta dela é um vazio igual à morte.
Espero que sejas tudo o que eu nunca fui.
Espero que a trates bem.
Porque se lhe partires o coração vais perdê-la para sempre.
Pudesse eu ter lido o futuro..."



 Direitos Autorais Reservados á:
Diffuse.

Relembrando a Infância ..

       Ao som de Adele - Skyfall re-leio essa história que marcou a minha vida e por que não a fase mais importante dela - que é a minha infância. Dia Frio - estou em casa - enrolado nas minhas cobertas - com o not no colo - e se não fosse assim?! Talvez seria assim ...


Hans Christian Andersen — A pequena vendedora de fósforos



Era véspera de Natal. Fazia um frio intenso; já estava escurecendo e caía neve. Mas a despeito de todo o frio, e da neve, e da noite, que caía rapidamente, uma criança, uma menina descalça e de cabeça descoberta, vagava pelas ruas. Ela estava calçada quando saiu de casa, mas os chinelos eram muito grandes, pois eram os que a mãe usara, e escaparam-lhe dos pezinhos gelados quando atravessava correndo uma rua para fugir de dois carros que vinham em disparada.

Não pôde achar um dos chinelos e o outro apanhou-o um rapazinho, que saiu correndo, gritando que aquilo ia servir de berço aos seus filhos quando os tivesse. A menina continuou a andar, agora com os pés nus e gelados. Levava no avental velhinho uma porção de pacotes de fósforos. Tinha na mão uma caixinha: não conseguira vender uma só em todo o dia, e ninguém lhe dera uma esmola — nem um só cruzeiro.

Assim, morta de fome e de frio, ia se arrastando penosamente, vencida pelo cansaço e desânimo — a imagem viva da miséria.

Os flocos de neve caíam, pesados, sobre os lindos cachos louros que lhe emolduravam graciosamente o rosto; mas a menina nem dava por isso. Via, pelas janelas das casas, as luzes que brilhavam lá dentro. Sentia-se na rua um cheiro bom de pato assado — era a véspera de Natal —; isso sim, ela não esquecia.

Achou um canto, formado pela saliência de uma casa, e acocorou-se ali, com os pés encolhidos, para abrigá-los ao calor do corpo; mas cada vez sentia mais frio. Não se animava a voltar para casa, porque não tinha vendido uma única caixinha de fósforos, e não ganhara um vintém. Era certo que levaria algumas lambadas. Além disso, em sua casa fazia tanto frio como na rua, pois só havia o abrigo do telhado, e por ele entrava uivando o vento, apesar dos trapos e das palhas com que lhe tinham tapado as enormes frestas.

Tinha as mãozinhas tão geladas... estavam duras de frio. Quem sabe se acendendo um daqueles fósforos pequeninos sentiria algum calor? Se se animasse a tirar um ao menos da caixinha, e riscá-lo na parede para acendê-lo... Ritch!. Como estalou, e faiscou, antes de pegar fogo!

Deu uma chama quente, bem clara, e parecia mesmo uma vela quando ela o abrigou com a mão. E era uma vela esquisita aquela! Pareceu-lhe logo que estava sentada diante de uma grande estufa, de pés e maçanetas de bronze polido. Ardia nela um fogo magnífico, que espalhava suave calor. E a meninazinha ia estendendo os pés enregelados, para aquecê-los, e... tss! Apagou-se o clarão! Sumiu-se a estufa, tão quentinha, e ali ficou ela, no seu canto gelado, com um fósforo apagado na mão. Só via a parede escura e fria.

Riscou outro. Onde batia a luz, a parede tornava-se transparente como um véu, e ela via tudo lá dentro da sala. Estava posta a mesa. Sobre a toalha alvíssima via-se, fumegando entre toda aquela porcelana tão fina, um belo pato assado, recheado de maçãs e ameixas. Mas o melhor de tudo foi que o pato saltou do prato, e, com a faca ainda cravada nas costas, foi indo pelo assoalho direto à menina, que estava com tanta fome, e...

Mas — o que foi aquilo? No mesmo instante acabou-se o fósforo, e ela tornou a ver somente a parede nua e fria na noite escura. Riscou outro fósforo, e àquela luz resplandecente viu-se sentada debaixo de uma linda árvore de Natal! Oh! Era muito maior e mais ricamente decorada do que aquela que vira, naquele mesmo Natal, ao espiar pela porta de vidro da casa do negociante rico. Entre os galhos, milhares de velinhas. Estampas coloridas, como as que via nas vitrinas das lojas, olhavam para ela. A criança estendeu os braços diante de tantos esplendores, e então, então... apagou-se o fósforo. Todas as luzinhas da árvore de Natal foram subindo, subindo, mais alto, cada vez mais alto, e de repente ela viu que eram estrelas, que cintilavam no céu. Mas uma caiu, lá de cima, deixando uma esteira de poeira luminosa no caminho.

— Morreu alguém — disse a criança.

Porque sua avó, a única pessoa que a amara no mundo, e que já estava morta, lhe dizia sempre que, quando uma estrela desce, é que uma alma subiu para o céu.

Agora ela acendeu outro fósforo; e desta vez foi a avó quem lhe apareceu, a sua boa avó, sorridente e luminosa, no esplendor da luz.

— Vovó! — gritou a pobre menina. Leva-me contigo... Já sei que, quando o fósforo se apagar, tu vais desaparecer, como sumiram a estufa quente, o pato assado e a linda árvore de Natal!

E a coitadinha pôs-se a riscar na parede todos os fósforos da caixa, para que a avó não se desvanecesse. E eles ardiam com tamanho brilho, que parecia dia, e nunca ela vira a vovó tão grandiosa, nem tão bela! E ela tomou a neta nos braços, e voaram ambas, em um halo de luz e de alegria, mais alto, e mais alto, e mais longe... longe da Terra, para um lugar, lá em cima, onde não há mais frio, nem fome, nem sede, nem dor, nem medo, porque elas estavam, agora, no céu com Deus.

A luz fria da madrugada achou a menina sentada no canto, entre as casas, com as faces coradas e um sorriso de felicidade. Morta. Morta de frio, na noite de Natal.

A luz do Natal iluminou o pequenino corpo, ainda sentado no canto, com a mãozinha cheia de fósforos queimados.

— Sem dúvida, ela quis aquecer-se — diziam.
Mas... ninguém soube que lindas visões, que visões maravilhosas lhe povoaram os últimos momentos, nem com que júbilo tinha entrado com a avó nas glórias do Natal no Paraíso.


24 de março de 2013

Carta a Vitorino Nemésio [1]

Talvez que o anjo esquecido,
O anjo da poesia,
Se tenha de mim perdido
Sem reparar que o fazia...
Por isso me faltam asas
E me sobejam as penas
De um desejo inalcançado:
Que eu gostava de voar
Até ao anjo perdido
O anjo de mim esquecido,
Que por mim é tão lembrado.
Ai se eu tivesse voado
Aonde queria voar
Não estava agora a rimar
Versos de asas cortadas.
Voava junto de si
Assim fico aonde me vê
Mesmo pregadinha ao chão
Com asas de papelão
E sem entender porquê.
Pois a uns faltam-lhe asas
Mas por ter asas cortadas
Sofrem uns e outros não?
Eu tenho sofrido muito
Nos meus voos ensaiados
Que ao querer sair do chão
Ficam-me os pés agarrados,
...E por falar dos pés

Com versos de pés quebrados
Perdoe lá a quem os fez
Pelo mal dos meus pecados
Só os fiz por timidez
Que tenho em me dirigir
A quem tem por lucidez
Razão para distinguir
O bom e o mau Português.
Assim à minha maneira
Aqui venho responder
Desta forma tão ligeira
Que a sério não pode ser!

Amália Rodrigues

23 de março de 2013

Férias?! São Vocês?!


ME PERDOEM, mas fazer duas faculdades e ainda trabalhar como Profº de Português tem me sugado até a alma genteeeeeeeeeeee. Eu sei que a minha ultima postagem é sobre o meu [Namoro] e tudo mais, pois bem, o Namoro continua perfeito, aquele começo onde você se apaixona por tudo, onde rola sms de madrugada, ligações logo cedo para um acordar o outro, pelo fato de não morarmos na mesma cidade isso nos aproxima ainda mais, mas logo logo teremos grandes surpresas – mas ainda não posso contar nada.

Pensa em alguém que está no meio de uma aula, em pleno sábado, escrevendo essa postagem só por que a aula tá #Chata HAHAHAHAHAHAA. To com sono, to cansado, preciso de féeeeeeeeeerias ok!!! Logo, estaremos de férias na Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS o que vai me proporcionar uma semana na casa do Namorado, onde quero esquecer de tudo, ou quase tudo. Quero curtir só \o/

Essa camiseta eu ganhei do meu Namorado *-*
 

19 de março de 2013

Quero Mais ❤



Desse final de semana só quero mais!!!

Não consigo definir felicidade – amor – carinho – cuidado – proteção, em uma palavra só, mas consigo definir em um sorriso: O Sorriso do meu Namorado. Lembram que eu comentei que eu ia ir pra lá na sexta, pois bem, eu fui. Definir como perfeito seria pouco – foi mágico, lembranças, imagens que ficarão na minha memória pra sempre, todo o sempre na verdade. Fui pra lá na sexta e voltei na segunda (ontem), mas posso garantir de antemão que foi o final de semana mais perfeito dos últimos tempos – por que não, meses. Ele foi o cara que me fez sentir no simples, no inimaginável o AMOR, nos momentos – aquele amor e carinho que ninguém conseguiu até hoje, mas Ele conseguiu. O nosso primeiro contanto físico foi algo mais que mágico e transcendental, foi algo inexplicável aos homens – pois só quem passa é capaz de saber o valor de um abraço e sentir os corações batendo na mesma sintonia.
Poderia relatar aqui vários e vários momentos de amor – carinho – cuidado e afins, mas não seriam o bastante para fazer vocês entenderem com que intensidade vivemos esse final de semana, esse começo de relacionamento e história, esses nossos momentos. Estou apaixonado?! SIM, estou Amando?! Sim. Mas acima de tudo estou vivendo uma história com o cara mais lindo do mundo, que hoje eu posso chamar de meu, MEU NAMORADO. Meu Menino Grande, meu Homem. E que acima de tudo e de todos me ama, cuida de mim e me protege de uma forma que só ele é capaz de fazer!!!

Não consigo definir - apenas sentir e saber que te tenho agora, 
mais do que nunca ao meu LADO meu Amor


14 de março de 2013

Desconstruindo Valores ..



Sim! Eu ainda tenho só 21, mas já me perguntei quantas pessoas passaram por tudo o que eu já passei só com – 21. Passando por experiências que mechem comigo, muitas vezes me pego com medo e com crises que né, são da idade como diria o meu Pai.
                Enfim .. vim aqui para contar uma outra coisa para vocês hoje, comecei a fazer parte de um colegiado de Defensoria dos Direitos Humanos da minha cidade (Chapecó – SC) ao qual chamamos carinhosamente de Coletivo Humaniza, nesse processo todo, comecei a conversar com várias pessoas que fazem parte do mesmo, mas em outros campi da Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS, que eu faço parte como acadêmico. Em uma dessas conversas conheci um menino (OMG* to apaixonado), totalmente o oposto daquilo que eu sempre achei que fosse o certo pra mim, sempre procurei algum capitalista como a minha pessoa, sempre achei que alguém que se preocupasse com moda e que andasse de acordo com os padrões de uma sociedade que agora vejo que me escravizou por tanto tempo. Voltando ao moço que me arranca sorrisos, começamos a conversa sábado passado – dia 09-03-13 – até então tínhamos muito o que conversar por conta de tudo o que estamos planejando e tudo mais, logo após chegar da minha faculdade passei o meu número de telefone pra ele, e disse que se acaso precisa-se poderia me ligar pois estaria dormindo (sempre faço isso depois que chego da faculdade – não durmo, desmaio na cama), até então ok, nunca tinha passado o meu número pra alguém assim, mas pra ele – parece que já era diferente.
                Enfim, dormi – morri – desmaiei na cama, depois de uma meia-hora que eu tinha acordado ele me liga, ai eu: “Oi?!” nem lembrava que tinha passado o meu número pra alguém, e ele me diz que era só pra confirmar se era mesmo o meu número, conversamos muito e tudo mais, papo vai papo vem, começamos a manter uma relação de carinho e cuidado um com o outro, e eu tenho que admitir aqui que eu não imaginava até então que ele fosse gay, aposto que ele vai rir muito depois que ler isso. Mas o papo era bom, ficamos conversando por , como ele fez questão de me mandar um sms dizendo: uma hora, dois minutos e quarenta e oito segundo <3. Jamais imaginaria que poderia ali nascer uma paixão – entre papos via facebook, web, celular, vários sms durante o dia. Desde então tem rolado muitos sms – conversas via telefone – via facebook – segredos compartilhados e sentimentos alimentados, mesmo que ainda não tenhamos nos tocado, nem sentido o calor do abraço, mas ai vem a noticia boa: sexta-feira, amanhã, dia 15/03/13 vou viajar até a cidade dele e encontra-lo, para finalmente sentir no calor dos seus braços meu porto seguro. Estou muito nervoso, estou com medo, estou ansioso e com o coração na mão – saio daqui de Chapecó as 9 da manhã para chegar lá, no final da tarde. Não sei o que vai acontecer, não sei como será, só sei que eu sinto que serão os melhores dias desse ano, e espero que finalmente possamos completar a felicidade um do outro.
                Vou fazer uma surpresa pra ele, que logo depois da minha volta quero postar aqui no blog pra vocês também poderem ver, e compartilhar conosco esse momento de felicidade extrema. Afinal, não é sempre que isso acontece!!!  Pessoal me desejem muita boa sorte e que tudo de certo, por que ele é tudo aquilo que falta em mim, e que talvez não estive vendo por tanto tempo – e nem ao mesmo percebi. Mas agora ... tanto o meu coração quanto o dele – falam por si só!!! Meu #Barbudo!!!


É AMANHÃ O GRANDE DIA!!!


12 de março de 2013

Pretéritas ❤

[...] I can be tough, I can be strong, but with you it's not like that at all...
I remember all those crazy (and lovely) things you said... things we did.
Damn what i'd do to have you here...
I wish you were here.

Damn, damn, damn... i'm in LOVE
[...]


Eu não sei se tô doente de saudade, mas sei que muita saudade pode me deixar assim. Hoje fui no mercado, fui na sessão daqueles biscoitos. Respirei bem devagar, olhei pausadamente. Comprei um pacote pra sarar (risos).

As vezes cruzamos os braços, como se pudéssemos nos proteger de alguma forma. É quase uma insegurança secreta, um pensamento no silêncio que remete manhã seguinte em que acordamos sozinhos. Um segredo de algo que não sabemos lidar. Podemos reger e dirigir tantas coisas a nossa volta, tudo parece estar seguindo tão bem. Mas somos incapazes de reger nós mesmos, o nosso interior, como se estivessemos parados no tempo.
 
Enquanto assistia aquela cena, costumeiramente derramando um par de lágrimas com a cabeça pendida do meu lado direito, perguntei se acreditava em tudo aquilo. Encontros, reencontros, pessoas mudando por amor, gente querendo ser feliz a dois, amando e sendo amadas de verdade, insubistituíveis, incondicionais. No fundo eu me perguntei se eu ainda acreditava no amor em si.
 
( A Casa Do Lago - Romance)
 

Eu já não sou aquele menino que descansava em um leve riso de felicidade, já não tenho o olhar brilhante que encontrou segurança em promessas. Se choro nessas cenas, já não me dizem que não preciso chorar. Já não tenho, nem sou mais nada daquilo que fazia do amor parecer real. Muitas as coisas passaram, até mesmo aquelas que a maioria acredita ser pra sempre.

Eu pensei que iria hesitar, que iria dar uma resposta negativa pra mim. Mas não titubeei ao lembrar-me do quão de verdade fui, e isso bastou para que o amor fosse real pra mim e eu pudesse sorrir um sim, eu acredito. 

11 de março de 2013

Será que é Ele?!

[...] Que eu sem você
É como você sem mim
Antes que amanheça,
Que seja sem fim

Antes que eu acorde,
Seja um pouco mais assim

Meu príncipe, meu hóspede,
Meu homem, meu marido
Meu príncipe, meu hóspede,
Meu marido
 


10 de março de 2013

MEU BATISMO ❤

Tenho certeza que o momento mais importante da minha vida tenha chegado, de certa forma sempre esperei por isso, e dessa vez veio com tudo - afinal posso compartilhar com as pessoas que mais gosto e que mais me fazem bem, não sei como explicar nem de que forma deveria falar mas meu Batismo foi marcado - em breve me entregarei de corpo e alma definitivamente ao meu Criador, aquele a quem devo toda a minha vida e existência, acho que esse será o momento mais importante desses 21 anos que se passaram. Agora é só continuar orando a DEUS e fica esperando que o grande dia chegue e que seja de muitas bençãos pra minha vida, afinal - 

DEUS EU TE AMO ❤
 
 

9 de março de 2013

VÃO ORGULHO - Florbela Espanca


Neste mundo vaidoso o amor é nada,
É um orgulho a mais, outra vaidade,
A coroa de loiros desfolhada
Com que se espera a Imortalidade.
 
Ser Beatriz! Natércia! Irrealidade...
Mentira... Engano de alma desvairada...
Onde está desses braços a verdade,
Essa fogueira em cinzas apagada?...
 
Mentira! Não te quis ... não me quiseste,
Eflúvios subtis dum bem celeste?
Gestos... . palavras sem nenhum condão.
 
Mentira! Não fui tua ... não! Somente...
Quis ser mais do que sou, mais do que gente,
No alto orgulho de o ter sido em vão! ...

8 de março de 2013

7 de março de 2013

Funkeiro - Tesão?!



Genteeeeeeeeeeeeeeeeeem, to achando um funkeiro bonito. HAHAHAHAHAHAHAAA isso mesmo, e agora?! Tipo Oi?! Tá eu admito que nunca foi algo que me chamasse a atenção mas dessa vez, uOOOOOOOOOu. E agora?!

                Enfim, tava tendo um papo bem sério hoje pela manhã com um amigo meu e chegamos nesse assunto, os caras são lindos, tem um corpão, sabem dançar, e tipo .. são TUDO!!! Nossa, me imaginei dançando com um deles e né – nem falo nada!! HAHAHAAHA. E agora o que eu faço =P  Eu me pego rindo aqui só de imaginar o que se tá passando na minha cabeça, acho lindo com aquelas correntes no pescoço, aquele corpo bem definido, cueca branca aparecendo, calça solta e tênis. O QUE TÁ ACONTECENDO?! HAHAHAHAHAHAHA. #Help #Please!!!!

                Aqueles movimentos sensuais que te fazem pirar, aquela “quebrada” de cintura, aquela mechida que só ele é capaz de fazer, eu não sei o que tá acontecendo comigo, estou desconstruindo a imagem que eu tinha?! Acho que sim!!! 


União Funk - Aquecimento
(os caras sabem dançar - a partir do primeiro minuto eu começo a pirar, 

e depois dos 1:45 eu já nem respiro mais - por que né!!!)