20 de julho de 2013

Para isso somos feitos ...

Não namore com alguém por status ou por carência, namore por realmente sentir algo. Não iluda uma pessoa a qual você não sinta nada, fale a verdade mesmo doendo, mas fale. Não minta, pois a verdade sempre é descoberta. Não use as pessoas, amanhã você poderá ser o alvo. Não troque quantidade por qualidade. Não deixe que o namoro acabe com suas amizades. Não se deixe levar por falsos amigos. Não acredite em palavras e sim em atitudes. Seja confiante, tenha amor próprio, tenha auto estima. Não pense negativo, pense positivo e atraia coisas boas. Não discuta, argumente. Não cuide da vida de ninguém, cuide apenas da sua. Dê a sua opinião, mas também saiba ouvir o próximo. Respeite religiões e culturas. Não julgue ninguém pela cor, classe social, peso, altura e sexo. Cada um é único, então não seja uma cópia. Não dê valor às coisas, dê valor às pessoas. Não prejudique o que tem vida, pois também tem sentimento. Não destrua a natureza, destrua o que te faz destrui-la. Jogue seu preconceito no lixo, não o guarde para si. Trate os outros de igual para igual. Não pise em ninguém, amanhã poderá precisar dessa pessoa para algo. Tenha cérebro além do dinheiro. Dinheiro acaba, mas a sabedoria, ela dura para sempre. Dinheiro compra, mas a sabedoria conquista. Quem não age de tal forma, é um ser humano vazio e totalmente pobre de espírito. E pessoas pobres interiormente, infelizmente, atraem interesseiros e vivem sozinhos, sem paz e amor no coração. O mais sujo não é aquele que vive no lixo, o mais sujo é aquele que vive com o lixo dentro de si, um ser totalmente oco, que é o mais pobre dos seres ao ser vazio. Gente assim quer ser melhor, mas no fim é pior. Só errando é que se aprende a viver, não uma vez, mas várias. E tem gente que ainda tem que apanhar muito da vida, porque ainda não aprendeu nada com ela.

Olhe pro seu namorado. Agora responda: Quantas pessoas você acha que são loucas por ele? Quantos você acha que ficam encantados com aquele sorriso que só ele tem? Devem ter vários, né? Você não sabe quem são, mas existem. E apesar disso, ele encontrou você. Na verdade, ele te escolheu. É, você! Que não é nenhum príncipe, cheio de falhas e imperfeições. E mesmo assim, ele insiste em te chamar de príncipe, de perfeito. Muito bobo, né? Ele te ama assim, exatamente do jeito que você é, imperfeito. Agora, eu te pergunto: tem dado valor? Muitos invejam você e estão só de olho, esperando seu primeiro vacilo para atacar. E aí, amigo, vai esperar vê-lo nos braços de outro? Sorrindo das piadas de outro? Fazendo um carinho em outro? Bate até uma pequena raiva só de imaginar, né? Agora vai lá, passa a mão no cabelo dele e diz que o ama. Liga só pra saber como ele está. Dê valor enquanto tem, porque quando perder só vai sobrar arrependimento.



11 de julho de 2013

A Geração Perdida ...

Tava lendo um livro sobre uma literata rica
dos anos vinte e seu marido
beberam, comeram e curtiram por toda a
Europa
encontrando-se com Pound, Picasso, A. Huxley, Lawrence, Joyce,
F. Scott, Hemingway e muitos
outros.
as celebridades eram como brinquedinhos para
eles
e pelo que li
as celebridades curtiram a ideia de ser
brinquedinhos.
durante todo o livro
esperei que ao menos uma das celebridades
dissesse para a literata rica e seu
rico literato marido
que caíssem foram
mas, pelo jeito, nenhum deles
o fez.
Em vez disso, deixaram-se fotografar com a senhora
e seu marido
em várias praias
com cara de inteligente
como se tudo isso fizesse parte
da Arte.
talvez o fato de a mulher e seu marido
serem donos de uma grande mídia
tivesse algo a ver
com isso.
e foram todos fotografados juntos
em festas
ou na calçada da livraria de Sylvia Beach.
é verdade que muitos deles eram
artistas ótimos e/ou originais
mas tudo parecia tão esnobe e
afetado,
e o marido finalmente cometeu
seu tão anunciado suicídio
e a senhora publicou um dos meus
primeiros contos
nos anos 40 e agora
está morta, mas
não consigo perdoar nenhum dos dois
por suas vidas ricas e imbecis
também não consigo perdoar seus brinquedinhos
por se sujeitarem
a isso.


9 de julho de 2013

#MeuXodó ...

" Eu disse, que essa história tinha um final triste.
Que na Sessão da Tarde eu nem era um Príncipe.
Eu fui só o Jegue que você galopou.
Não venha, fazer a Moça estilo Faroeste.
Cê tá mais pra Vilã barata do Agreste.
Não sei mais como posso ser usado assim [...]

Meu BB chegou *-*
#BandaUÓ #FazUÓ #LOVE <3




5 de julho de 2013

Mais uma d'Ele ...

"Por que há tão poucas pessoas interessantes? Em milhões, por que não há algumas? Devemos continuar a viver com esta espécie insípida e tediosa? O problema é que tenho de continuar a me relacionar com eles. Isto é, se eu quiser que as luzes continuem acesas, se eu quiser consertar este computador, se eu quiser dar descarga na privada, comprar um pneu novo, arrancar um dente ou abrir a minha barriga, tenho que continuar a me relacionar. Preciso dos desgraçados para as menores necessidades, mesmo que eles me causem horror. E horror é uma gentileza."

- Charles Bukowski