14 de agosto de 2014

Re-fletindo!

"Fico pensando se viver não será sinônimo de perguntar. A gente se debate, busca, segura o fato com duas mãos sedentas e pensa: 'Achei! Achei!', mas ele escorrega, se espatifa em mil pedaços, como um vaso de barro coberto apenas por uma leve camada de louça. A gente fica só, outra vez, e tem que começar do nada, correndo loucamente em busca dos outros vasos que vê. Cada um que surge parece o último. Mas todos são de barro, quebram-se antes que possamos reformular as perguntas. E começamos de novo, mais uma vez, dia após dia, ano após ano. Um dia a gente chega na frente do espelho e descobre: 'Envelheci.' Então a busca termina. As perguntas calam no fundo da garganta, e vem a morte. Que talvez seja a grande resposta. A única."

[O trechinho em itálico é de "Limite Branco", do Caio.]


6 comentários:

  1. Respostas
    1. Compartilho do mesmo ponto de vista que você, meu querido Marcos! É algo, simples em toda a sua complexidade e perfeito; simples assim!

      Grande Abraço Querido!

      Excluir
  2. Hei amigo, tudo bem?
    Menino, Caio é sempre fantástico e a música segue o caminho rs.
    Vc não tem ideia de como fiquei feliz ao ler seu comentário, fiquei imensamente emocionando, assim como estou agora ao lhe responder e lhe dizer que estou com os olhos lacrimejando rs.
    Eu me sinto tão lisonjeado em saber que realmente as pessoas gostam do que escrevo e que de certa forma faço uma certa diferença e é justamente por isso que continuo e quero continuar aqui. Minha voz é horrível rsrs Mas depois gravo um áudio e lhe mando rs,
    Abração menino

    ResponderExcluir
  3. Então...estou cada vez mais perto desse trecho no espelho, tão bem descrito pelo Caio...e já queria ter outras respostas, além da que ele e todos nós vamos encontrar!

    ResponderExcluir

A minha opinião eu dei, agora quero ver a de vocês!